האם ישוע הנצרתי הוא אלוהים?                                                                         IS JESUS THE NAZARENE GOD?

 

JESUS O NAZARENO É DEUS?

 

Os cristãos dizem que Jesus o Nazareno é Deus.

 

No entanto, os judeus dizem que Jesus o Nazareno não é Deus.

 

Quem está certo? Os cristãos ou os judeus?

        

Para respondermos a esta pergunta, devemos consultar a Bíblia, pois a Bíblia é o conjunto dos livros que são inspirados por Deus.

 

Mas antes disso, precisamos descobrir qual é a verdadeira Bíblia, pois a Bíblia dos cristãos é composta pelos livros do Antigo Testamento (Tanakh) e pelos livros do Novo Testamento, e a Bíblia dos judeus é composta somente pelos livros do Antigo Testamento (Tanakh, ou Bíblia Hebraica).

 

Não há nenhuma dúvida de que os livros do Antigo Testamento (Tanakh, ou Bíblia Hebraica) são inspirados por Deus, mas existe controvérsia a respeito de se os livros do Novo Testamento são inspirados por Deus ou não, pois os judeus dizem que os livros do Novo Testamento não são inspirados por Deus, e os cristãos dizem que os livros do Novo Testamento são inspirados por Deus.

 

Portanto, para sabermos qual é a verdadeira Bíblia, temos que saber se os livros do Novo Testamento são inspirados por Deus ou não.

 

Os livros do Antigo Testamento (Tanakh, ou Bíblia Hebraica) foram escritos no período entre 1506 AEC e 330 AEC.

 

Os livros do Novo Testamento foram escritos muito depois, no período entre 48 EC e 97 EC.

 

Nos livros do Novo Testamento há palavras que contradizem as palavras que Deus já havia falado antes, que estavam escritas nos livros do Antigo Testamento (Tanakh, ou Bíblia Hebraica).

 

Por exemplo: Está escrito no Antigo Testamento (Tanakh, ou Bíblia Hebraica), em Gênesis 17:9-14 e Êxodo 12:48-49 e Levítico 12:3, que Deus ordenou que todos os homens sejam circuncidados, e que, quando nasce um menino, ele seja circuncidado com oito dias de nascido e, no entanto, está escrito no Novo Testamento, em Gálatas 5:2, que não devemos fazer a circuncisão.

 

Outro exemplo: Está escrito no Antigo Testamento (Tanakh, ou Bíblia Hebraica), em Levítico 11:1-30, que Deus ordenou que nós não comamos os animais imundos, entre os quais estão o porco, o camelo, o coelho, o avestruz, os peixes sem escamas, o camarão, a lagosta, o siri, o caranguejo, a lula e o polvo e, no entanto, está escrito no Novo Testamento, em Mateus 15:11, Marcos 7:18-19, e Atos 10:9-16, e Romanos 14:14 e 14:20, e 1 Timóteo 4:1-5, que tudo é limpo, e que é permitido comer qualquer animal.

 

Portanto, os livros do Novo Testamento não são inspirados por Deus, pois a sua mensagem é totalmente oposta à mensagem de Deus, que está nos livros do Antigo Testamento (Tanakh, ou Bíblia Hebraica).

 

Os cristãos dizem que Jesus o Nazareno é o Messias, mas eles estão equivocados, porque Jesus o Nazareno não é o Messias. Os cristãos interpretam equivocadamente as profecias que estão na Bíblia Hebraica (Tanakh). O messias príncipe mencionado em Daniel 9:25-26 não é o Messias filho de Davi, mas sim um sacerdote governante, pois os sacerdotes também são ungidos, e ungido é sinônimo de messias, e em Daniel 9:26 está escrito que depois das sessenta e duas semanas será cortado o messias, e ele não terá, o que significa que o messias ali mencionado não terá o reino. O messias príncipe mencionado em Daniel 9:25-26 foi o Rei Antígono, que foi sumo sacerdote e rei da Judeia de 40 AEC até 37 AEC, e foi decapitado pelos romanos em 37 AEC. Para mais detalhes sobre este assunto, veja a página http://www.caraita.teo.br/qual_a_correta_interpretacao_da_profecia_das_setenta_semanas_de_daniel.htm .

 

Está escrito em Deuteronômio 6:4 o seguinte:

 

DT 6.4 OUVE, ISRAEL, JAVÉ É NOSSO DEUS, JAVÉ É UM.

 

Portanto, vemos que Deus é um, e não dois, nem três.

 

Assim sendo, constata-se que Jesus o Nazareno não é Deus, pois se Jesus o Nazareno fosse Deus, Deus seria dois.

 

Em Deuteronômio 6:4 Deus disse que Ele é um.

 

Portanto, vemos que a doutrina da Santíssima Trindade é uma doutrina falsa.

 

Os que pregam a falsa doutrina da Trindade dizem que Deus é três mas é um, mas isto é um absurdo, pois 3 é diferente de 1.

 

A equação 3=1 é uma equação totalmente errada.

 

Está escrito em Êxodo 20:3 que Deus disse o seguinte:

 

ÊX 20.3 NÃO TERÁS OUTROS DEUSES DIANTE DE MIM.

 

Portanto, vemos que aqueles que acreditam que Jesus o Nazareno é Deus, e por isso prestam culto religioso a Jesus o Nazareno, cometem pecado, pois têm outro deus além do verdadeiro Deus, o Criador de todas as coisas, e assim violam o mandamento que está em Êxodo 20:3.

 

Além disso, dizer que um homem é Deus é um absurdo, pois nenhum homem pode ser Deus, porque Deus é o Criador de todas as coisas, e o homem é uma criatura, e é totalmente impossível a criatura ser o Criador. Isto é uma impossibilidade lógica.

 

Não devemos endeusar nenhum homem, mesmo que esse homem seja o Messias (ou Cristo, ou Ungido).

 

O Satanás lança doutrinas falsas e absurdas, e infelizmente muitas pessoas acreditam nestas doutrinas falsas e absurdas, e assim pecam contra Deus, prestando culto religioso a um homem, como se ele fosse Deus, desobedecendo ao mandamento de Deus, de não ter outros deuses diante d’Ele (Êxodo 20:3).

 

Bendito seja Deus, que nos libertou destas doutrinas falsas, absurdas e diabólicas, nos fazendo saber que a verdadeira Bíblia é a Bíblia dos judeus, a qual é composta somente pelo Antigo Testamento (Tanakh, ou Bíblia Hebraica).

 

As pessoas que pregam a doutrina falsa da divindade de Jesus o Nazareno usam como argumento o versículo Isaías 9:5 (em algumas Bíblias é 9:6).

 

No referido versículo está escrito o seguinte:

 

IS 9.5 PORQUE UM MENINO NOS NASCEU, UM FILHO SE NOS DEU, E O PRINCIPADO ESTARÁ SOBRE O SEU OMBRO, E SE CHAMARÁ O SEU NOME PELE-JOEZ-EL-GUIBOR-ABIADE-SAR-SALOM.

 

O referido nome significa “Milagre do Conselheiro Deus Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz”.

 

Com base no significado deste nome, aquelas pessoas dizem que o Messias é Deus.

 

No entanto, o fato de Deus ter dito que o Messias terá este nome não significa que o Messias seja Deus, pois este nome significa apenas que quando o Messias vier, Deus, que é o Conselheiro, o Deus Forte, o Pai da Eternidade, o Príncipe da Paz, fará um milagre.

 

Os versículos Isaías 8:3-4 mostram que Deus mandou que se pusesse em um menino o nome de Maer-Salal-Hás-Baz, que significa “Apressando-se o despojo apressou-se o saque”, e que Deus disse que isto significava que antes que aquele menino soubesse chamar meu pai ou minha mãe, Damasco e Samaria seriam despojadas e saqueadas, o que mostra que estes nomes que Deus dá a certos meninos nas profecias às vezes significam algo que vai acontecer após o nascimento daquele menino, e não o que aquele menino será.

 

Além disso, Jesus o Nazareno não é o Messias, conforme já demonstrei acima, de modo que o versículo Isaías 9:5 não se aplica a ele.

 

Algumas pessoas usam como argumento para dizer que Jesus é Deus o fato de Deus ter falado na primeira pessoa do plural em Gênesis 1:26 e 3:22 e 11:7 e Isaías 6:8.

 

No entanto, este argumento não é correto, pelas seguintes razões:

 

O fato de em Gênesis 1:26 e 3:22 e 11:7 e Isaías 6:8 Deus ter falado na primeira pessoa do plural não significa que Ele seja dois ou três, significa apenas que Ele usou o plural majestático, que é uma maneira de falar que é usada por reis ou pessoas muito importantes, somente para indicar a majestade de quem está falando.

 

Em hebraico, e em muitas línguas, inclusive em português, o plural é às vezes usado com o sentido de grandeza ou de importância.

 

Por isso é que em português nós usamos o pronome da segunda pessoa do plural, “vós”, para nos dirigirmos a uma pessoa importante, ou simplesmente para demonstrar respeito pela pessoa com quem estamos falando.

 

Por exemplo: alguém diz para o rei: “Majestade, vós sois um bom rei”, usando o pronome e o verbo na segunda pessoa do plural, para demonstrar respeito pelo rei, mas isto não significa que o rei seja dois, ou três.

 

Outro exemplo: usamos os tratamentos respeitosos “Vossa Excelência”, “Vossa Majestade”, “Vossa Senhoria”, “Vossa Mercê”, etc., em que a palavra “Vossa” é plural, mas isto não significa que a pessoa com quem estamos falando seja uma pessoa dupla ou tripla.

 

Inclusive, o tratamento “Vossa Mercê” se tornou tão comum, que foi abreviado primeiramente para “Vosmicê”, ou “Vassuncê”, e depois foi abreviado para “você”, e hoje em dia todo mundo trata os outros por “você”, que nada mais é que uma forma abreviada de “Vossa Mercê”, que é um tratamento respeitoso que usa o pronome no plural (segunda pessoa do plural), mas isto não significa que todos nós sejamos duplos ou triplos.

 

Isto explica por que Deus falou na primeira pessoa do plural em Gênesis 1:26 e 3:22 e 11:7 e Isaías 6:8.

 

Algumas pessoas usam como argumento para dizer que Jesus é Deus o fato de que a palavra hebraica “Elohim”, que é usada no Tanach (Antigo Testamento) como um dos nomes de Deus, e que significa “Deus”, tem a terminação “im”, que em hebraico é a terminação do masculino plural.

 

Estas pessoas dizem que Deus é mais de um, porque a palavra “Elohim” é plural.

 

No entanto, não procede este argumento, porque em hebraico a terminação “im” não é usada somente para fazer o plural, é usada também para formar um substantivo abstrato, e é usada também para fazer o aumentativo.

 

Em hebraico, virgindade é “betulim”, o que comprova que em hebraico a terminação “im” é usada para formar substantivos abstratos.

 

Em Gênesis 24:9 as palavras “seu senhor”, que se referem a Abraão, são a tradução da palavra hebraica “adonav”, que é apalavra “adonim” acrescida do sufixo da terceira pessoa do plural masculino, sendo que Abraão é um só, de modo que neste versículo “adonav” significa “seu grande senhor”, e não “seus senhores”.

 

Isto comprova que em hebraico a terminação “im” (que acrescida do sufixo da terceira pessoa do singular se torna “av”) por vezes é usada para fazer o aumentativo, e não para fazer o plural.

 

Portanto, a palavra “Elohim” (que acrescida do sufixo da terceira pessoa do singular é “Elohaiv”), pode também ser traduzida como “Divindade” ou como “Grande Deus”.

 

Nos casos em que a palavra hebraica “Elohim” se refere a Deus, o Criador do Universo, o verbo é colocado no singular, o que mostra que nestes casos a palavra “Elohim” é singular, e pode ser traduzida como “Divindade” ou como “Grande Deus”.

 

Quando a palavra hebraica “Elohim” se refere a Deus, o Criador do Universo, e é seguida de um adjetivo, ou de um particípio usado como adjetivo, este também recebe a terminação “im”, que no caso é sinal de aumentativo, e não de plural.

 

Em Gênesis 20:13 e 35:7 e Salmos 58:12 e 149:2 e Eclesiastes 12:1 e Isaías 54:5 (duas vezes), no texto hebraico massorético o verbo aparece no plural, referindo-se a Deus, o Criador do Universo, mas isto acontece porque houve erros de cópia que infelizmente não foram corrigidos pelos massoretas, sendo que fica evidente que houve erros de cópia nestas passagens, porque nas traduções antigas (septuaginta, versão siríaca e vulgata) e no Pentateuco Samaritano (nos casos de Gênesis 20:13 e 35:7) o verbo consta no singular.

 

Os massoretas fizeram várias correções de erros de cópia no texto do Tanach (Antigo Testamento), que se chamam “Qere”, mas infelizmente não corrigiram todos os erros de cópia, mas é possível corrigir os demais erros de cópia examinando o Pentateuco Samaritano e as traduções antigas do Tanach (septuaginta, versão siríaca e vulgata) e os manuscritos antigos do Tanach em hebraico, inclusive os manuscritos do Mar Morto (Qumran).

 

Na Bíblia Hebraica Stuttgartensia há várias notas de rodapé com as leituras variantes que constam nos manuscritos antigos e nas traduções antigas e no Pentateuco Samaritano, e ali você pode ver que nas mencionadas passagens (Gênesis 20:13 e 35:7 e Salmos 58:12 e 149:2 e Eclesiastes 12:1 e Isaías 54:5) o verbo está no singular em traduções antigas e no Pentateuco Samaritano (nos casos de Gênesis 20:13 e 35:7), o que comprova que nas mencionadas passagens o verbo está no plural no Texto Massorético por erro de cópia e porque os massoretas, infelizmente, não corrigiram aqueles erros de cópia.

 

Já fiz várias correções de erros de cópia no Texto Massorético do Tanach (Antigo Testamento), com base nos manuscritos antigos e nas traduções antigas (septuaginta, versão siríaca e vulgata) e no Pentateuco Samaritano.

 

Para ver o Texto Massorético do Tanach (Antigo Testamento) com várias correções de erros de cópia feitas por mim, com base nos manuscritos antigos e nas traduções antigas (septuaginta, versão siríaca e vulgata) e no Pentateuco Samaritano, clique no seguinte link:

 

http://www.caraita.teo.br/tanach_metukan.htm .

 

Que Javé (Yahveh) vos abençoe.

 

João Paulo Fernandes Pontes (nome hebraico: Yochanan Ben Yosef).

 

Publicado em 13 de junho de 2005.

 

Atualizado em 29 de junho de 2014.

 

HOME

 

EM PORTUGUÊS

 

EN FRANÇAIS            EN ESPAÑOL             IN ENGLISH                בעיברית

 

Site Meter